WORDS OF LOVE X WORKS OF LOVE

por Luciana Jackson

 Você faz o que diz? Pra melhorar: aquilo que você faz é coerente com quem você é?

Erich Fromm escreveu:

"Hoje em dia nos deparamos com indivíduos que se comportam como autômatos, que não conhecem ou compreendem a si mesmos, e a única pessoa que conhecem é aquela que pensam ser, alguém cuja conversa vazia substitui a comunicação real, alguém em que o sorriso sintético tomou o lugar do sorriso genuíno e a sensação de desespero ocupou o vazio deixado pela dor autêntica! Duas coisas podem ser ditas de tais indivíduos. A primeira é que sofrem de defeitos aparentemente incuráveis, como a falta de espontaneidade e personalidade. Ao mesmo tempo, podemos dizer que eles não diferem de milhões de pessoas que, como nós, caminham pela face da Terra".

Embora tenha sido elaborado pelo sociólogo há décadas, o pensamento é muito atual!

Será que preferimos nos iludir? Construir uma identidade que não reconhecemos?

O primeiro passo é promover o autoconhecimento necessário de quem somos, do contrário permitiremos que o julgamento externo nos crie à sua imagem e semelhança e perderemos nosso poder de entender o que viemos aqui para fazer...


Sim, o passo seguinte é fazer! Porque é agindo que concretizamos aquilo que somos. Nossa essência se exterioriza. Enquanto você posta belas mensagens para amigos, amigos dos amigos, desconhecidos, o que você faz a respeito, apenas lança words of love?

É na prática diária que provamos para nós mesmos, nos dando como exemplo ao mundo, que não viemos aqui por acaso, por sorteio ou para brincar. Todos nós temos um propósito.

Um dia talvez, tarde demais para recomeçar (será?), perguntaremos: Quem é esse que me habita? O que eu fiz por mim, pelas pessoas, pelo mundo?

Que história você quer contar no futuro: words of love ou works of love?

Abraços!

Comentários